Pular para o conteúdo principal

Ratoeiras


                                                            
 
 


                                                                                                                                                  
      Malaquias desce apressado a alameda. Está decidido, não irá repetir mais o erro cometido em tantos anos. Pela última vez informará a Joel sua resolução. Este dirá tratar-se de uma situação sem saída, mas não o impedirá. Haviam perdido o controle das coisas, a desestruturação fazia parte do cotidiano.
     Tudo começou com o aumento populacional, incentivado pelo mito da existência de muitas áreas desabitadas. Em poucos anos as fronteiras foram derrubadas e institui-se o estado de guerrilha. Nas cidades decadentes, os bandos urbanos disputavam espaços para praticar jogos de extermínio. Os donos dos antigos oligopólios e os ditadores das regras sociais construíram o último ônibus espacial. Zarparam nele. Os apenas influentes, feudalizaram-se em propriedades campestres ou litorâneas, mas as multidões surgiram nos lugares mais remotos do planeta. Quando a água  e o ar ficaram totalmente contaminados, pareceu impossível suportar, muitos sucumbiram. Para outros foi o início da transmutação. Alguns conseguiram se  enclausurar nos andares mais altos dos prédios ainda existentes. Quando iam em busca de alimentos tinham as defesas diminuídas. As poucas áreas de plantio eram destinadas a subsistência daqueles que conseguiam defendê-las.  Malaquias só conhece este mundo. Vive dizendo ter ouvido falar das transformações. Ocorreram em menos de um século: - antigamente os alimentos eram comprados numa espécie de depósito onde ficavam expostos. As pessoas entravam e escolhiam, trocavam por tiras de papel ou escudos metálicos. Muitos não entendiam como ele sabia desses fatos e porque sempre tomava atitudes suicidas. Estava sempre espreitando os bandos urbanos ou andarilhos inconscientes para caçar e matar a fome. Continuar sobrevivendo era o grande desafio, uma espécie de aventura. Cansara daquilo e resolvera acabar com tudo de uma só vez, encontrar uma morte limpa e rápida. O que era difícil naquela época.

     Joel é o único amigo de Malaquias e um dos últimos membros do seu clã. Crê nas suas histórias e entende sua rebeldia. Quando começa a fazer presságios todos param para escutar. Querem acreditar em dias melhores e no presente transitório. Aquele era o tempo dos ajustes e redefinição do movimento das engrenagens. Agiam feito ratos desviando de armadilhas montadas.

Comentários

  1. essa visão catastrófica do futuro dominado pela violência,poluição e ambientes sombrios é uma característica de todos que observam com atenção os passos dados pela humanidade em direção ao futuro.M.Bom!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bromas
      Naquela manhã os meninos resolveram trancar as meninas dentro da sala de aula, para isso,  enviaram os nerds  à sala da coordenação de disciplina para pegar uma cópia da chave no armário.  Atraíram elas mostrando um vídeo no telefone de Cássio. Ele disse que dera uns amassos na Brenda, a menina mais popular da sala, atrás do prédio do laboratório de ciências. Quando todas estavam agrupadas para ver o vídeo falso, eles saíram e trancaram a porta.  Correram para fora da sala, carregando a sensação de vitória. Enquanto riam do que haviam aprontado, o estrondo tomou conta de todo o andar abaixo  e o fogo foi ocupando todos os cantos inflamáveis. Os meninos viraram urdidura no meio da destruição. As meninas, antes, entretidas procurando no telefone as imagens, correram  para a porta quando ouviram o barulho, não conseguiram abri-la. Foram para as janelas e viram o fogo escalando as paredes. Não tinham ideia de que o prédio estava quase todo destruído, ficaram só uma sala no té…
A DONA DO CEMITÉRIO
Pequena história juvenil
Esta história é sobre Teca e Lino. Eles resolveram pregar um susto na sua turma de amigos no dia do Halloween. Todos moravam no mesmo bairro numa rua cheia de árvores muito antigas, altas e assustadoras à noite. Sabiam muito bem disso quando resolviam andar de bicicleta quando escurecia. A mais medrosa era a Paulinha ,porque era a menor, Teca e Lino eram valentes e metidos a inteligente, Samanta e greg gostavam de aventuras e sensação de perigo, mas o máximo que faziam era andar de bicicleta de noite e ir a toda a velocidade e travar bem na beira de um barranco que existia no final da rua, se caíssem de lá, certamente ficariam super esfolados e podiam até quebrar a cabeça oca: – dizia Paulinha.
Uma semana antes da festa das bruxas que eles comemoravam como os americanos, se vestindo de monstros e passando nas casas da rua falando: - doçuras ou travessuras e ganhando um monte de doces sempre. Teca teve uma idéia para mudar um pouco a noi…

Bolha de Calor

A temperatura estava muito alta para a estação, primavera tórrida, sensação térmica de quarenta e sete graus. A bolha de calor se formara devido ao fortalecimento do ar seco na atmosfera, caprichos do El niño. A poluição exigia esforço para respirar. Os olhos lacrimejavam e o nariz ardia. A população da grande cidade já sofria as conseqüências do número excessivo de veículos nas ruas. A mobilidade era o problema e o rodízio dos carros nas avenidas a solução provisória.
Acalamidade era iminente, faltava água, há meses não chovia.
Até para aqueles que viviam nos subterrâneos da cidade a seca estava afetando suas vidas e seu habitat já sofria modificações. A secura já invadia os cantos escondidos pela escuridão. Quando saiam à noite para caçar, o bafo quente aderiasuas peles sensíveis e a fumaça no ar, tornava o cenário ideal para aqueles que necessitam de discrição, mas com o calor diminuíram o tempo dedicado a busca de alimentos. Percorriam os lugares nos quais estavam concentrados maior…