Pular para o conteúdo principal
Bromas

      Naquela manhã os meninos resolveram trancar as meninas dentro da sala de aula, para isso,  enviaram os nerds  à sala da coordenação de disciplina para pegar uma cópia da chave no armário.  Atraíram elas mostrando um vídeo no telefone de Cássio. Ele disse que dera uns amassos na Brenda, a menina mais popular da sala, atrás do prédio do laboratório de ciências. Quando todas estavam agrupadas para ver o vídeo falso, eles saíram e trancaram a porta.  Correram para fora da sala, carregando a sensação de vitória. Enquanto riam do que haviam aprontado, o estrondo tomou conta de todo o andar abaixo  e o fogo foi ocupando todos os cantos inflamáveis. Os meninos viraram urdidura no meio da destruição. As meninas, antes, entretidas procurando no telefone as imagens, correram  para a porta quando ouviram o barulho, não conseguiram abri-la. Foram para as janelas e viram o fogo escalando as paredes. Não tinham ideia de que o prédio estava quase todo destruído, ficaram só uma sala no térreo e no primeiro andar que sustentavam aquela em que estavam. A únicas saídas eram as janelas basculantes com os vidros quebrados pela explosão. Quando conseguiram passar pela abertura estreita viram que o fogo tomara conta dos andares de baixo e a fumaça sufocava. Voltaram. Alguém lá fora gritou que os bombeiros estavam chegando. Se acalmassem. A escola estava sendo evacuada, do outro lado da calçada, depois da faixa de segurança foram se aglomerando expectadores. As meninas abraçadas choravam e rezavam para que os meninos voltassem e abrissem a porta já sendo consumida pelas labaredas. Não desconfiavam que não havia mais nenhum deles para fazer isso. Claudia ligou para Rômulo. O telefone no silencioso, tocou dentro da mochila na sala de aula. A fumaça tomou conta de tudo antes que o fogo chegasse.
    Depois de alguns anos, outro prédio foi construído no mesmo lugar e  havia uma sala de aula no lugar da anterior: pintada de branco, assim como o quadro, classes e cadeiras modernas, mas os alunos, viam uma sala mobiliada com as velhas classes verdes de fórmica, o quadro negro, o armário de madeira no fundo da sala e nas janelas de basculantes, cortinas azul escuro. Acabara, mais uma vez, a aula de história com a professora Agatha, os meninos num canto reunidos combinavam algo e as meninas ainda sentadas nos seus lugares desconfiavam ser alguma brincadeira, observavam curiosas tentando adivinhar o que eles iriam aprontar, mesmo os mais comportados eram convocados para essas reuniões e eram forçados à cumplicidade. Resistiam aos jogos de sedução de Cláudia quando se aproximava tentando escutar o assunto discutido. Rômulo usava de seus talentos para afastá-la, rapaz de corpo atlético e esguio da natação, abraçava a moça e a levava para longe. Ela ia, gostando da atenção recebida. Não era à toa que todas as manhãs se dedicava à produção: jeans de grife, botas brilhantes, cabelos despenteados após o babylise e a maquiagem, destoava das outras mais novas, que optavam pelo jeans, camiseta e sapatilhas ou tênis. Terminada a reunião um grupo aproximou-se das meninas reunidas na outra extremidade da sala. Adônis disse:
 - Olha só, viralizou na rede uma parada com a Brenda e o Cássio atrás do laboratório de ciências.
 As meninas se entreolharam. Samantha responde: - Duvido que ela ficaria com aquele nerd!
 Ele com o telefone na mão finge procurar o vídeo e depois localizar, entrega o aparelho para a menina. Imediatamente todas fecharam um circulo em volta de Samantha. Os meninos começaram a sair da sala sem fazer ruído, Rômulo o último da fila, trancou a porta. Saíram correndo pelo corredor do prédio, coração batendo forte e a sensação de liberdade.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A DONA DO CEMITÉRIO
Pequena história juvenil
Esta história é sobre Teca e Lino. Eles resolveram pregar um susto na sua turma de amigos no dia do Halloween. Todos moravam no mesmo bairro numa rua cheia de árvores muito antigas, altas e assustadoras à noite. Sabiam muito bem disso quando resolviam andar de bicicleta quando escurecia. A mais medrosa era a Paulinha ,porque era a menor, Teca e Lino eram valentes e metidos a inteligente, Samanta e greg gostavam de aventuras e sensação de perigo, mas o máximo que faziam era andar de bicicleta de noite e ir a toda a velocidade e travar bem na beira de um barranco que existia no final da rua, se caíssem de lá, certamente ficariam super esfolados e podiam até quebrar a cabeça oca: – dizia Paulinha.
Uma semana antes da festa das bruxas que eles comemoravam como os americanos, se vestindo de monstros e passando nas casas da rua falando: - doçuras ou travessuras e ganhando um monte de doces sempre. Teca teve uma idéia para mudar um pouco a noi…

Em Carne Viva

Em Carne Viva
O que dizer dessas pessoas que sentem que não se encaixam nas ações cotidianas? Não conseguem sentir da mesma forma aquilo que os outros sentem em relação a diversão, visão de mundo...
São extraterrestres, não são vistos como tal, mas essa sensação lhes habita. Conseguem de forma mimética fazer parte, muitas vezes, nem são descobertos, só se declararem ou tiverem qualquer crise existencial grave.
     Transitam pelos shoppings, parques, supermercados e clínicas psiquiátricas( porque alguém constatou que só esses especialistas conseguiriam tratá-los).
Admiram a praticidade de algumas pessoas que tomam decisões rápidas, assim como arrumam malas de viagens eficazes, o necessário e ainda conseguem variar trajes. Não têmdentro de si aquele buraco grande e sem fundo, cheio de coisas desconhecidas que provocam a sensação de desconforto, estranhamento, tristeza inerente.
     Acham que uma boa roupa, um cabelo ar…